THE FLAME Workshop
Português: 
Sua História, Sua Voz

7.jpg

Uma história do Flame é uma história pessoal verdadeira, sobre você e contada em poucos minutos; de 5 a 10 minutos. Menos é mais. Esta história devera ser sobre o enfrentamento de um desafio e como você saiu do outro lado com uma nova compreensão sobre si mesmo. É sobre transformação em sua vida ou em suas circunstâncias. Pode ser épico ou simples. Engraçado ou emocionante, comovente ou eigente, sempre humano e divertido.
 

Abaixo seguem algumas dicas.
 

1. Domine sua história; conheça e memorize. Crie, escreva, conte. Reescreva, compartilhe, retrabalhe e aprenda. Não necessariamente palavra por palavra, mas saiba bem o suficiente para que possa relaxar e se divertir no palco sem notas. Lembre-se de que esta é a sua história. Você viveu e pode contá-la. (Você também podera ler sua história para apresentaçoes online do Flames)

 

2. Uma história do Flame precisa de apostas altas !! - O que está em risco? Qual é a recompensa potencial? Por que essa circunstância é importante para você? Se você não pode responder a essas perguntas para sua história, passe para outra ideia.

 

3. Você precisa de UM CONFLITO (“a hook”): uma primeira sentença que define a importância da história e faz o público sentar e ouvir. Faça seus ouvintes sentarem na ponta da cadeira. Por exemplo, sua historia não devera ser “Esta é a história da vez em que caí da escada e quebrei a perna”.

 

4. Você precisa de UM FECHAMENTO (“a button”): uma sentença final que encerre sua história, de forma inteligente, comovente, provocativa ou qualquer outro adjetivo. Não pregue, ensine ou moralize. Deixe a audiencia ficar com perguntas.

5. Lembre-se

•      O cenário - onde esta história está acontecendo? Pinte-o com palavras e leve-nos até lá. É outro personagem. Que música estava tocando? Qual papel de parede? O cenário dá ao público dicas sobre o ano, a sociedade, a vizinhança, o ecossistema que você está compartilhando.

•      Os personagens - de quem é a história? Você e (quem mais?)? Pense em poucos personagens.  Certifique-se de que todos que você menciona são necessários para contar sua história. Dê os nomes dos personagens para que possamos segui-los.

•      O enredo - O arco narrativo, começo, meio e fim. Ou mente, vísceras e pés. Não entregue o seu final até você chegar lá. Crie uma jornada que continua se desenrolando.

•      Comece com a ação. Não explique sobre o que será sua história. Comece no meio dela.

•      Tempo presente na primeira pessoa! Viva enquanto fala para que a história tenha movimento. Conte através de seus olhos de 10 ou 70 anos. Isso conecta você com detalhes profundos em sua memória e imaginação.

•      Os detalhes - os detalhes são muito mais interessantes do que a generalização. Isso cria uma história universalmente compreensivel. Descreva as coisas em sequências de três.

•      Use todos os 5 sentidos. Leve seu público em uma viagem multissensorial. Quanto mais eles veem, sentem, saboreiam, cheiram e ouvem, mais vivem sua história com você.

•      “Tem que ser verdade, mas faça seus fatos dançarem.” Como tudo isso parecia através de seus olhos. Não confunda “fatos” com “verdade”. Todos nós sabemos que a verdade é multifacetada e a memória está sempre mudando. Esta é a sua história.

•      Surpresa, Suspense e Reviravoltas - revele informações com moderação e o mais tarde possível.

•      Ouse levar seu público a um lugar onde ele nunca esteve. Você é um ser humano único. Faça isto de sua maneira.

•      Semeie algumas informações no início da história para que você possa voltar a elas

•      Use a repetição, criteriosa e propositalmente em 3's.

•      Comece sua história mais tarde e termine-a mais cedo do que você pensa. Revele, evoque, envolva, deixe perguntas sem resposta.

 

6. Uma ótima história é interessante, autêntica, divertida, dada como um presente sem amarras, contada na primeira pessoa, contada no presente, deixamos para o público preencher seu próprio espaço em branco.
 

7. Um Grande Narrador:

•      Faz parte de uma equipe; o narrador e o público

•      Investe na história - tem um motivo para compartilhar essa história. Precisa contar essa história.

•      Cuida do público: O público não deve se preocupar com a sua segurança mental ou física.

•      Ouve o público, assiste e reage.

•      Sabe que o público é inteligente.

•      Confia no público.

•      Conta a história de forma altruísta

•      Não é um herói

•      É autodepreciativo, falível, vulnerável e até mesmo se comporta como um idiota, se isso torna a história melhor.

•      É um guia nesta jornada

8. Uma história do Flame não é

•      Uma piada

•      Uma lição ou sermão (embora as regras funcionem bem para o ensino e a pregação).
Literário. Deve soar como falando, não lendo.

•      Clichê (as pessoas perdem o interesse)

•      Conscientemente inteligente

•       Monótono, sinuoso, condescendente

•      Auto-indulgente. Autopiedade.

•      

•      O Flame não é para terapia, mas pode ser terapêutica. Se você ainda está com raiva, deprimido, vingativo ou não chegou a um acordo com o assunto de sua história, “The Flame” não é um bom lugar para sua história. O público vai se preocupar com você.